, , , , ,

Quando a máscara do presidente caiu!

Quando a máscara do presidente caiu!

É MINHA VEZ DE FALAR! – disse Márcio (diretor de operações), furioso, a Rogério Rodrigues (CEO). – Você é uma farsa! Uma fraude! Algo que jamais vou querer para meus filhos, um contra exemplo de tudo aquilo que acredito! Se estou pedindo demissão, não é por essa empresa, que me dediquei nos últimos 20 anos até chegar à diretoria de operações. É por descobrir que, nos últimos 20 anos, entreguei o melhor de mim para que o pior de você fosse ainda pior! Seus valores são os de quem paga mais, e honestidade é algo que você só deve ter lido em revistas ou jornais quando seus amigos foram presos por não terem isso!

Rogério, olhando perplexo para aquela situação, permanecia totalmente em silêncio. Ele estava ciente de tudo o que gerava nas pessoas, mas ninguém jamais teve coragem de dar um feedback daquela forma tão direta e tão dura, a ponto dele ficar sem palavras. Afinal, ele era “o todo poderoso”! “O manda chuva”! “O cara que mandava soltar e prender!”

Você que leu o artigo até aqui não deve estar entendendo nada até agora. Por isso, vou reproduzir o que antecedeu essa calorosa discussão.

Márcio nem sempre ocupou esse cargo. Entrou na empresa 20 anos antes. A partir do momento que assistiu uma palestra de Rogério em um evento de uma universidade, ficou profundamente inspirado, motivado, e ali encontrou um mentor.

Após a palestra, imediatamente foi procurar “o grande” Rogério Rodrigues. Disse que a palestra tinha sido sensacional, inspiradora, que tinha mexido com ele a ponto de ir manifestar a vontade de trabalhar em sua empresa. Pouco mais de 1 ano se passou até ele ser chamado para uma entrevista. Após várias tentativas, finalmente foi aprovado.

O jovem promissor fez carreira tendo aquele Rogério Rodrigues como seu mentor, como modelo de comportamentos profissionais e pessoais. Com seu talento, passou a chamar a atenção. Começou a conquistar seu espaço, a subir dentro da organização, e tinha como meta um dia trabalhar lado a lado com o Rogério Rodrigues.

Após 18 anos de seu ingresso na grande empresa, veio o reconhecimento maior. Rogério o chamou e disse que ele seria seu sucessor. A partir de então, precisaria dele de forma integral. Soma-se a isso a promoção para o cargo de Diretor de Operações. Suas atribuições iriam além da esfera profissional, tendo acesso direto ao conselho e à administração de seus bens pessoais. Ficaria sabendo de seus segredos pessoais.

Márcio chegou a ficar preocupado em atender plenamente as expectativas, mas aceitou, sabendo que aquela proposta vinha de seu mentor, modelo, profissional de maior confiança. Só poderia ser coisa boa, não tinha como não aceitar! Dali para frente, a proximidade só iria aumentar. Márcio iria descobrir quem era Rogério de fato.

A primeira descoberta foi em sua primeira viagem à China quando, após um jantar de negócios, Rogério o convidou para uma festa com mulheres, dizendo que era algo comum. Márcio, um homem de fé e princípios, sentiu-se incomodado e não participou, voltando ao hotel.

Semanas depois, em reunião com um político influente, Rogério negociou propina para ganhar vantagem em processos de licitação. Novamente, Márcio assistia, questionando-se o que fazia na mesma mesa que aqueles homens.

Da porta da empresa para fora, Rogério tinha uma imagem de líder modelo. Doava dinheiro para caridade, plantava árvores, dava palestras em universidades, dizia que estava escrevendo um livro, que tinha missão, visão e valores bem definidos e que os vivenciava todos os dias. Da porta de sua sala para dentro, tudo era diferente, humilhando e demitindo funcionários, participando de negócios ilícitos. Somente estando muito próximo para conhecer seu real caráter.

Num determinado dia, aconteceu a gota d´água. Rogério solicitou a Márcio que colocasse um grupo de 10 empresas em seu nome para continuar pagando menos impostos e não configurar um grupo econômico. Márcio foi até o departamento financeiro investigar, e descobriu que ele não seria o primeiro. Era o 11º a passar pela mesma situação. Rogério não possuía nenhum bem em seu próprio nome!

Márcio ligou para cada membro da diretoria, convocou uma reunião extraordinária para as 14:00h do mesmo dia e convocou um fiscal da receita federal.

A reunião não teve formalidade, mas teve seu início pontualmente às 14:00h. Não teve pauta, teve somente o desabafo citado no início deste texto, de um liderado que foi fiel a seus valores, tais como integridade, honestidade e justiça e, acima de qualquer cargo, terminou a reunião da seguinte forma:

– Rogério Rodrigues, você foi o modelo do que queria para minha vida profissional durante 20 anos. Quero que você saiba que continuará sendo o meu modelo, do que NÃO quero ser pelo resto de minha vida. Você é um lixo de líder!

Essa história é baseada em fatos reais. Isso acontece todos os dias, próximo a todos nós, em muitas empresas. Sempre que algo errado é feito, as máscaras caem e a verdadeira identidade aparece. Usar máscaras significa desde vivenciar a história acima a jamais dizer o que realmente pensa sobre as pessoas.

Pense sobre as máscaras que possa estar usando.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *