, , , ,

Se eu cuidar dos outros, quem cuidará de mim?

Se eu cuidar dos outros, quem cuidará de mim?

 

Em nossa sociedade, é muito comum encontrarmos pessoas com o talento em cuidar dos outros. Alguns fazem isso em busca de uma recompensa como reconhecimento social, ou recompensas materiais, enquanto outros fazem-no por extremo prazer em servir. Mas até que ponto esse servir pode ser bom ou mal?

Nesse artigo, proponho uma reflexão: talvez você esteja priorizando o servir mais aos outros do que a si mesmo. Aquela máxima de que, em caso de despressurização, máscaras de oxigênio cairão dentro dos aviões e que deve colocá-la primeiro em você nunca foi tão verdade como nos dias de hoje.

Observe se você apresenta um ou mais sintomas abaixo. Se apresentar, a leitura poderá ajudá-lo. Se não apresentar, você terá a opção de identificar alguém que possua esses sintomas e poderá inclusive ajudá-la a encontrar uma forma de mudar essa situação.

  1. Possui dificuldades em dizer não quando solicitado a ajudar?
  2. Tem medo de negar ajuda e passar a imagem de que só pensa em si?
  3. É um exemplo em empatia, compaixão e generosidade com o próximo?
  4. Acumula tarefas no trabalho aceitas muitas vezes por fugir do conflito de dizer o não ao solicitante?
  5. Vê como missão ajudar e contribuir com o próximo?
  6. Algumas vezes, as pessoas brigam com você para comer?
  7. Outras vezes, brigam para descansar um pouco?
  8. Muitas vezes, oferece mais do que recebe?
  9. Na maioria das vezes, ajuda antes mesmo que outras pessoas lhe solicitem?

Quando pergunto a alguém o que a fará feliz no futuro, geralmente coloca em seus filhos formados a fonte de felicidade e realização. Concordo que um filho bem formado e devidamente encaminhado na vida trará, com certeza, o sentimento de dever cumprido. Ao mesmo tempo, poderá gerar algo mais problemático do que se imagina.

Quando perguntei a um casal se eles criavam seus filhos para si próprios ou preparando-os para enfrentar a vida, disseram-me que era para a vida, quase sem pensar. Então, se isso é verdade, imaginando que seus filhos sairão para um suposto intercâmbio aos 18 anos, e os pais viverão e nortearão suas prioridades nesses 18 anos em função dos filhos, podemos concluir que correrão atrás do tempo perdido após os filhos saírem de casa? Será que conseguirão recuperar as vivências, experiências e principalmente aprendizados que possam ter perdido?

Você já deve ter visto o caso em que uma pessoa com fome apresenta, em alguns casos, alteração de humor, tornando-se intolerante, impaciente e até grosseira. Imagine agora um garçom que serve 100 mesas em um só dia e não pára um minuto para comer. Será que ele sente fome? Será que essa fome poderá alterar seu humor e os outros fatores citados? É possível concluir que ele poderá ter uma queda de energia e não servir as 100 mesas da melhor maneira que poderia? Pois é. O garçom, assim como você que está lendo, precisa cuidar-se!

Para ajudá-lo (a) a refletir, seguem alguns passos a serem experimentados:

  1. a) Todas as pessoas precisam mesmo de sua ajuda?
  2. b) Se não ajudar a todas as pessoas e pensar um pouco mais em você, o que de pior poderá acontecer? O desafio em ser o que prego! Como você pode passar valores tão importantes como cuidado, zelo, preparação e proteção ao próximo se você não se coloca em primeiro lugar?
  3. c) Não sofra pelo que não é seu! Você jamais será capaz de fazer tudo para mudar o mundo, mas poderá fazer tudo o que é capaz da melhor maneira. Portanto, faça tudo o que pode e não sofra pelo que não pode. Afinal, isso é o mesmo que tomar veneno e torcer para o outro morrer!

Antes de cuidar dos outros, gerencie sua vida estruturadamente, não taticamente! Para derrubar uma parede algumas pessoas simplesmente pegam a marreta imediatamente e começam a golpear a parede, enquanto outros estruturam, planejam e principalmente refletem sobre qual caminho seria  melhor, e principalmente se possuem capacidade, ferramentas, tempo e vontade de fazer.

Seguindo ou orientando pessoas a utilizarem esses 3  passos, será possível conectar-se com quem deveria ser a pessoa mais importante do mundo para você: VOCÊ!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *