, , ,

Quando um simples atendimento torna-se extraordinário.

Certa vez um amigo de um amigo meu reservou a manhã inteira para levar sua filha ao médico, em São Paulo. A esposa preparou um e-mail com todas as informações de preparo pré-exame, local, data, hora, médico, tipo de exame e o que tinha de levar a mais, como sucos e biscoitos, caso a menina sentisse fome ou o exame se prolongasse Como ele praticamente não leu o e-mail, foi para um outro hospital e chegando lá, logo viu uma mini brinquedoteca com bolas, bonecas e papéis para colorir. Deixou sua filha toda entretida com aquele ambiente enquanto fazia a ficha para o tal exame. A funcionária, que se chamava Camila, muito atenciosa, estava com cara de interrogação procurando no sistema quem tinha agendado aquele exame. Após alguns minutos de procura, ela perguntou ao pai da garota, se, de fato, o exame estava agendado para aquele hospital. O pai respondeu que sim e que provavelmente o sistema de agendamento de consultas tinha um erro, o que era um absurdo. O pai ainda argumentou o quão absurdo era, por motivo de um erro interno, uma criança de quatro anos ficar em jejum por tantas horas, em vão. Revoltou-se também, pois acreditava que por pagar um convênio tão caro, esse tipo de evento era inadmissível.

A atendente por sua vez, insistiu que não havia qualquer exame agendado para a menina. O homem já bastante irritado respondeu que sua esposa tinha até lhe enviado um e-mail contendo todas as informações necessárias para a realização do exame da filha. Para provar à atendente que ela estava errada, o homem imediatamente acessou seu e-mail pelo celular e o leu em voz alta.

Ao se dar conta do tamanho erro, lembrou-se da esposa ressaltando o quanto era importante a leitura atenta daquelas informações, já que o exame havia sido cancelado e reagendado por diversas vezes. Naquele momento, aquele pai envergonhou-se imensamente por sua falha, sua falta de atenção e pelo modo como tratara a simpática recepcionista a sua frente. Pediu dois minutos à recepcionista para que fosse buscar sua filha na brinquedoteca. Sabia que tinha que pedir desculpas à ela, mas sentia-se tão envergonhado que não sabia de que forma poderia se redimir. Ao retornar, o homem percebeu que Camila estava ao telefone: durante sua ausência, a atendente entrou em contato com o hospital correto e estava tentando encontrar uma oportunidade para que a criança realizasse o exame ainda aquele dia, já que estava de jejum há mais de nove horas. Camila conseguiu uma brecha na agenda do hospital, marcou o exame para algumas horas mais tarde e, não contente ainda, pediu que o ticket do estacionamento fosse validado sem custo algum. Mesmo após tomar essas medidas, pediu humildemente desculpas àquele homem por não poder ajudá-lo de outra forma. Sorriu e desejou boa sorte! Neste instante, aquele pai ficou completamente pasmo e encantado com a situação, com o atendimento daquela moça que poderia muito bem tê-lo tratado com indiferença ou falta de educação, já que o erro cometido era dele. Contudo, a atitude tomada por ela frente a esse conflito foi movida pela empatia, humildade e vontade de ajudar; ela focou num problema que nem era dela, solucionando e superando as expectativas daquele homem.

Em suma, o tempo foi suficiente para que a menina realizasse o exame e que a atitude de Camila realmente valesse a pena. No fim do dia, ao retornar para a casa, o homem contou toda essa saga, relatando seus sentimentos, frustrações, assumindo seus erros e como aquela desconhecida resolveu seu problema, fazendo, com apenas uma atitude, toda a diferença.

Todos os dias podemos fazer a diferença na vida das pessoas em diversas situações. Sabemos que em muitos casos as pessoas agem com indiferença frente aos problemas do próximo, falta empatia, falta solidariedade. Pequenas atitudes como a de Camila podem fazer a diferença num momento de compra, de avaliação de um atendimento ou até num momento para assegurar novos negócios.

Grande parte das pessoas acredita que para fazer a diferença é preciso recursos, ocupar um alto cargo, ter boas relações… Mas o que realmente pode fazer a diferença está em pequenas atitudes, carregadas de boa vontade. Isso faz a diferença, isso pode gerar grandes resultados.

Depois desse incidente, a família alterou seu plano de saúde para que este, pudesse incluir o hospital em que Camila trabalhava dentre os disponíveis para o plano. O sentimento foi o seguinte:

“Se uma recepcionista fez tudo isso por nossa filha, para apenas um exame, imagine o que a equipe médica poderá fazer em casos de maior gravidade. Não queremos passar por isso, mas se precisarmos é melhor, mais confortante e muito mais confiável ter pessoas com esse comprometimento por perto.”

, , , ,

Se eu cuidar dos outros, quem cuidará de mim?

Se eu cuidar dos outros, quem cuidará de mim?

 

Em nossa sociedade, é muito comum encontrarmos pessoas com o talento em cuidar dos outros. Alguns fazem isso em busca de uma recompensa como reconhecimento social, ou recompensas materiais, enquanto outros fazem-no por extremo prazer em servir. Mas até que ponto esse servir pode ser bom ou mal?

Nesse artigo, proponho uma reflexão: talvez você esteja priorizando o servir mais aos outros do que a si mesmo. Aquela máxima de que, em caso de despressurização, máscaras de oxigênio cairão dentro dos aviões e que deve colocá-la primeiro em você nunca foi tão verdade como nos dias de hoje.

Observe se você apresenta um ou mais sintomas abaixo. Se apresentar, a leitura poderá ajudá-lo. Se não apresentar, você terá a opção de identificar alguém que possua esses sintomas e poderá inclusive ajudá-la a encontrar uma forma de mudar essa situação.

  1. Possui dificuldades em dizer não quando solicitado a ajudar?
  2. Tem medo de negar ajuda e passar a imagem de que só pensa em si?
  3. É um exemplo em empatia, compaixão e generosidade com o próximo?
  4. Acumula tarefas no trabalho aceitas muitas vezes por fugir do conflito de dizer o não ao solicitante?
  5. Vê como missão ajudar e contribuir com o próximo?
  6. Algumas vezes, as pessoas brigam com você para comer?
  7. Outras vezes, brigam para descansar um pouco?
  8. Muitas vezes, oferece mais do que recebe?
  9. Na maioria das vezes, ajuda antes mesmo que outras pessoas lhe solicitem?

Quando pergunto a alguém o que a fará feliz no futuro, geralmente coloca em seus filhos formados a fonte de felicidade e realização. Concordo que um filho bem formado e devidamente encaminhado na vida trará, com certeza, o sentimento de dever cumprido. Ao mesmo tempo, poderá gerar algo mais problemático do que se imagina.

Quando perguntei a um casal se eles criavam seus filhos para si próprios ou preparando-os para enfrentar a vida, disseram-me que era para a vida, quase sem pensar. Então, se isso é verdade, imaginando que seus filhos sairão para um suposto intercâmbio aos 18 anos, e os pais viverão e nortearão suas prioridades nesses 18 anos em função dos filhos, podemos concluir que correrão atrás do tempo perdido após os filhos saírem de casa? Será que conseguirão recuperar as vivências, experiências e principalmente aprendizados que possam ter perdido?

Você já deve ter visto o caso em que uma pessoa com fome apresenta, em alguns casos, alteração de humor, tornando-se intolerante, impaciente e até grosseira. Imagine agora um garçom que serve 100 mesas em um só dia e não pára um minuto para comer. Será que ele sente fome? Será que essa fome poderá alterar seu humor e os outros fatores citados? É possível concluir que ele poderá ter uma queda de energia e não servir as 100 mesas da melhor maneira que poderia? Pois é. O garçom, assim como você que está lendo, precisa cuidar-se!

Para ajudá-lo (a) a refletir, seguem alguns passos a serem experimentados:

  1. a) Todas as pessoas precisam mesmo de sua ajuda?
  2. b) Se não ajudar a todas as pessoas e pensar um pouco mais em você, o que de pior poderá acontecer? O desafio em ser o que prego! Como você pode passar valores tão importantes como cuidado, zelo, preparação e proteção ao próximo se você não se coloca em primeiro lugar?
  3. c) Não sofra pelo que não é seu! Você jamais será capaz de fazer tudo para mudar o mundo, mas poderá fazer tudo o que é capaz da melhor maneira. Portanto, faça tudo o que pode e não sofra pelo que não pode. Afinal, isso é o mesmo que tomar veneno e torcer para o outro morrer!

Antes de cuidar dos outros, gerencie sua vida estruturadamente, não taticamente! Para derrubar uma parede algumas pessoas simplesmente pegam a marreta imediatamente e começam a golpear a parede, enquanto outros estruturam, planejam e principalmente refletem sobre qual caminho seria  melhor, e principalmente se possuem capacidade, ferramentas, tempo e vontade de fazer.

Seguindo ou orientando pessoas a utilizarem esses 3  passos, será possível conectar-se com quem deveria ser a pessoa mais importante do mundo para você: VOCÊ!

, , , , , , , , ,

Você se transforma naquilo que cultiva

Você se transforma naquilo que cultiva

Em maio deste ano, uma Coachee me confidenciou que eu, como Coach, acreditava mais em seus talentos e sua capacidade de liderança do que ela mesma. Eu a respondi dizendo que isso era bem curioso e fiz a seguinte pergunta:

“Quer dizer que eu acredito mais em você do que você mesma?”

Ela me respondeu “sim, não é bem isso, mas é isso” e sorriu!

Imediatamente pedi que anotasse uma frase que eu ditaria, e que colocasse em seu espelho. Eu a fiz prometer que leria essa frase pela manhã, todos os dias, pelo menos 5 vezes:

A diferença entre o que podemos fazer e o que somos capazes de fazer poderia resolver a maioria dos problemas do mundo” (Ghandi)

Um dos maiores obstáculos para as pessoas pode estar diretamente relacionado à capacidade de acreditar em si mesmas. Algumas pessoas acreditam fielmente que jamais chegarão a brilhar em qualquer cenário, e que estão fadadas ao anonimato, pois não possuem brilho, potencial ou talento algum.

Não acreditar em si é colocar um teto. É focar no que é, e não no que poderia ser!

De acordo com John Maxwell, nosso potencial é um presente de Deus para nós. Nossa retribuição para Ele é cumprí-lo da melhor forma possível”.

Para ajudar-lhe a refletir em como liberar seu potencial:

Você se transforma naquilo que de mais profundo é cultivado dentro de você!

 Capa de Revista!

Imagine-se na capa de uma revista de grande circulação, mega produzido, no auge de seu potencial.

Como seria essa imagem? O que estaria nela? Quem estaria com você?

Onde você estaria e como você estaria? Quanto essa imagem poderia trazer felicidade para você?

Lembre-se de que, antes dessa imagem tornar-se realidade, há o chamado making off, envolvendo uma grande jornada, aprendizado, evolução e principalmente o seu poder de acreditar que você é capaz de realizar coisas grandiosas.

“Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar em você.” (Cynthia Kersey)

, , , , , , , , ,

Eu me Demito! Preciso de um Líder!

Eu me Demito! Preciso de um Líder!

Alguns liderados merecem ir para o Céu, pois seus líderes apresentam comportamentos nada exemplares, que refletem uma dura realidade em algumas lideranças ainda presentes em nossa realidade.

Se, após ler esse artigo, você como Líder apresentar uma ou mais características que destacarei abaixo, CUIDADO! Você pode estar fazendo da vida de sua equipe um verdadeiro inferno, além de permitir a criação de um cenário ainda pior, em que eles tomarão, em qualquer momento, uma drástica decisão:

Pedir demissão!

Observe alguns erros absurdos que Líderes cometem sem perceberem, e quando o fazem, o estrago é catastrófico e irreversível para sua imagem.

1º Erro: Só dão Feedback negativo e principalmente em público:

Alguns líderes acreditam que não podem amolecer em sua liderança, que não podem passar a mão na cabeça de ninguém. Fazer o certo é o mínimo da obrigação.

Ao dar um feedback em público, principalmente para níveis mais operacionais, deixam bem claro quem manda no pedaço.

2º Erro: “Faça o que digo mas Não faça o que eu Faço”:

Eu sou o chefe e posso, você é o liderado e deve cumprir ordens!

Essa é uma das heranças mais antigas do estilo de liderança autoritarista, em que o líder falava para cada um o que devia ser feito, sem questionamento algum, não se importando com estilo, exemplo, timing, perfis, desenvolvimento e principalmente exemplo.

3º Erro : Desconfiam de seus Liderados, dando à ouvidos  rádio peão:

Acreditam no que os mais chegados falam porque jamais traíram sua confiança. Os novos liderados são apenas novos liderados, tentando conquistar seus espaços.

Amam bajuladores que dizem o que eles querem ouvir, que os valorizam e concordam com suas ideias.

Confiança é um princípio fortíssimo na relação Líder x Liderado, e não existe ter muita ou pouca confiança. Ou se tem confiança, ou não se tem. Quando o liderado percebe que seu líder desconfia de sua conduta, mais ainda se descobre isso por terceiros, o casamento Líder x Liderado acaba, deixando como sequela uma contagem regressiva, com um fim já anunciado!

4º Erro: Conversa sobre carreira sem ações práticas:

A pior conversa sobre carreira é aquela em que, passado o episódio da conversa, nada é feito. Nenhuma ideia se transforma em ação.

O liderado sente-se um completo idiota. Compartilhou seus anseios, sua visão, suas vontades, a troco de quê? Para nada?

5º Erro: Sua meta é o “Eu” Sucesso!

Alguns líderes estão tão preocupados com a busca pela aprovação e sucesso que se tornam paranoicos e, com isso, tornam-se especialistas em derrubar todos os liderados que se destacam em suas equipes.

Procuram bodes expiatórios para seus erros, a fim de terceirizá-los;

Quando algo dá certo em sua equipe, surgem para levar a fama!

São tão focados em como podem crescer e se promover à custa dos outros que não promovem a descoberta de outros talentos, facilitando para que as pessoas partam para jornadas solitárias dentro de suas equipes.

O que faço se apresento algumas dessas características?

O primeiro e um dos mais importantes passos é o reconhecimento.

Faça uma reflexão sobre qual dessas características você possui, e em qual intensidade você apresenta esses comportamentos? O que você aprendeu com esses comportamentos? O que lhe levaria a repeti-los?

De acordo com os erros listados acima, responda às perguntas abaixo:

1º Erro: Como melhorar o seu feedback?

2º Erro: Quais comportamentos você pode dar como exemplo (que não dá hoje)?

3º Erro: Para quem você poderia dar um voto de confiança hoje?

4º Erro: Com qual dos seus liderados você poderia construir um plano de ação com etapas claras e cronograma?

5º Erro: Como melhorar sua colaboração na sua equipe?

Agora, monte seu plano-de-ação. Você é sua liderança!

, , , , , ,

O Jornal da Minha Vida

Estava lendo o jornal de domingo e pensei: Como seria ter um jornal no qual o tema central fosse a minha vida?

Pare por um minuto e pense: quais seriam as notícias e as manchetes que estariam no jornal da sua vida? Coisas boas, ruins, conquistas e, principalmente, quais seriam os seus desafios pessoais e profissionais para atingir um único propósito: o seu crescimento.

Podemos começar dividindo esse jornal em quatro cadernos, como um jornal mesmo. Vamos começar com Comportamento, Esportes & Saúde, Mundo e Carreira. Para escrever cada caderno, dedique um tempo sozinho, anote e reflita sobre cada ponto levantado e aproveite para fazer uma analogia com a sua vida atual.

Comportamento:

Quem não é visto, não é recordado, por isso, já dizia Dalle Carnegie, que o som mais nobre e doce para uma pessoa, é o seu nome! Você já experimentou chamar um garçom pelo nome e observar o seu atendimento? Já parou para pensar que cada vez que você faz uma gentileza a alguém, gera-se uma dívida de gratidão e você poderá contar com essa pessoa depois? Ou ainda, experimente dar 100% de sua atenção por 5 minutos a alguém em uma conversa, sem olhar no celular nenhuma vez. Se você ainda não fez isso, reflita e comece a agir!

“O melhor networking não é ter milhões de pessoas interessantes no celular e sim ter o seu número no telefone de dezenas de pessoas.” Faça a diferença e, principalmente, encante cada pessoa de maneira única com pequenas atitudes criando grandes relações.

Esportes & Saúde:

Hoje em dia, um dos fatores decisivos para fechar a compra de um automóvel é o prazo de garantia. Alguns dão aos seus clientes 5 a 6 anos de garantia, enquanto outros dão 2 ou 3 anos. O fator subliminar aí é que, para manter essa garantia, devemos fazer todas as revisões na quilometragem ou no prazo correto em redes autorizadas. Quando você deixa de fazer uma, perde-se a garantia.

Observando isso, pense sobre o personagem mais importante desse exemplo: “VOCÊ”. Como estão suas  revisões?

Você está indo periodicamente ao médico ou anda postergando, alegando não ter doenças para tal? Como você está cuidando da máquina mais perfeita e complexa do mundo: o seu corpo? Como está a sua alimentação? Tem praticado exercícios? Tem dormido bem? E, a pergunta mais relevante:

Estudos comprovam que executivos que praticam atividade física, que possuem alimentação balanceada e qualidade no sono, aumentam em 70% o seu poder sobre tomada de decisão e 40% em sua produtividade, tendo maior energia e disposição para vida pessoal e profissional. Sabendo disso, o que você está fazendo para manter-se saudável e disposto para viver a sua vida com qualidade?

Mundo:

O mundo de hoje não é o mesmo de ontem e, nem será o mesmo amanhã. Milhões de mudanças ocorrem o tempo todo e, se quisermos acompanhá-las, ficaríamos malucos e  mesmo assim não conseguiríamos.

Pensando nisso, vem uma reflexão sobre: “o que de fato eu quero acompanhar?”,  “Onde está o meu foco?” Algumas pessoas viajam pelo mundo e se esquecem de pensar onde querem chegar. Elas fazem coisas soltas, aliás, muitas coisas, indo de um lado para o outro tentando abraçar o mundo.

Dedique um tempo para refletir sobre uma única coisa: como você quer que esteja a sua vida profissional e pessoal daqui a um ano? Se chegar a uma resposta diferente da sua vida hoje, pense no que você terá que começar a fazer para chegar ao estado desejado.

Carreira:

Você pode ter uma carreira excelente hoje, fruto de escolhas, renúncias e aprendizados do passado, mas isso não garante o sucesso de amanhã.

Algumas pessoas chegam a determinados estágios da carreira, dizem que já fizeram de tudo e não precisam mais provar nada, afinal, time que está ganhando não se mexe, não é verdade? Uma das coisas que pude aprender em minha carreira é que quanto mais você cresce, mais pontos fracos aparecem. Pois é, seus pontos fracos de hoje podem não ser os de amanhã, mas lembre-se de trabalhá-los todos os dias, buscando o crescimento e evolução constante. Além disso, já foi comprovado que fora da zona de conforto as pessoas se desenvolvem mais rápido, procurando novas formas para fazer e aprender coisas e, com isso, aumentam a bagagem de experiência e

Conhecimento:

Então, qual tipo de profissional que você quer ser? O que possui 5 anos de experiência e 1 ano de conteúdo ou o que tem 5 anos de experiência e 5 anos de conteúdo?

Primeira Página:

Essa é a parte mais interessante do “Jornal da Sua Vida”. Após refletir sobre os cadernos anteriores, o que estaria na capa do seu jornal?

Se preferir, escreva a capa com a data de daqui um ano e conte como sua vida pessoal e profissional estará. Lembre-se sempre de que o personagem principal é você! Se não quiser escrever, é sinal de que o seu jornal, suas histórias ou o principal personagem desse jornal não são interessantes para você.

Pense nisso!

, , , , ,

A vitória pode estar nos boxes

A vitória pode estar nos boxes

Hoje em dia, nas corridas de fórmula 1, é comum ouvirmos sobre as estratégias das equipes quanto às paradas nos boxes, e quanto elas podem decidir as corridas, e até os campeonatos.

Não é só nas pistas que tudo é decidido. A cada dia, o fator ?extra pista? ganha mais corpo na briga por títulos, e seu espaço aumenta cada vez mais dentro das estratégias de cada equipe no mercado do esporte.

Se olharmos o que acontece nos boxes de uma equipe, é possível ver um trabalho sincronizado em questão de milésimos de segundos, fazendo com que cada piloto volte o mais rápido para a pista e brigue por seu lugar ao pódio.

Qual a melhor estratégia?

O número de paradas?

Parar no início, no meio ou bem mais próximo do final da corrida?

E você?

Mudando o foco de corridas para você e sua carreira, quantas vezes você já parou e foi para os boxes?

Parece estranho, mas imagine o quanto você poderia ganhar tendo uma equipe pronta para mostrar-lhe o que precisa mudar e ajudar-lhe a voltar à sua corrida ainda melhor?

Uma das perguntas mais pertinentes nesse momento:

Será que hoje você possui uma equipe treinada, inspirada, alinhada, capacitada para agir, disposta a ajudar, ou sua equipe está torcendo para que você quebre na pista e seja ultrapassado por outros?

O ideal seria:

Se sua equipe estiver pronta a ajudar, ótimo! Mas será que você está pronto e preparado para ouvir e receber o que e como eles podem lhe ajudar?

Voltando alguns passos:

Como está o ritmo de sua carreira hoje?

Alguns profissionais levam suas carreiras como uma prova de grande duração. Não exigem o máximo de si para não gerarem uma quebra e não desgastarem demais as peças e até a si mesmo. Não deixam o nível de energia baixar tanto. Mantém o ritmo com resultado previsível, em uma zona segura, com total controle.

Esse mesmo grupo raramente para no Box, sabendo que, ao parar, alguns ajustes e até possíveis mudanças poderão ser sugeridas. Assim, o líder e sua zona de total segurança e controle serão ameaçados.

Um segundo grupo de profissionais, arriscando-se um pouco, adota uma postura mais arrojada, parando mais vezes nos boxes. Ouvem sobre ajustes, mudanças de rota, feedbacks, trocas de peças. Porém, ao voltar a pista, passam a repetir os comportamentos do passado, os mesmos erros em sua corrida. Consequentemente, retornam aos boxes para trocar as mesmas peças, e não entendem o porquê de sempre passar pelas mesmas situações. Para eles, o mais provável, é que a culpa seja da chuva, da equipe, do Todo Poderoso ou de qualquer outro alguém.

Já o terceiro grupo, esse sim! Sabe a importância e os momentos certos de usar os boxes. Para isso, seguem os passos abaixo:

O primeiro não começa na corrida e sim na véspera, quando equipe e Líder traçam juntos quantas vezes eles irão se encontrar (paradas nos boxes), para fazer alinhamento, ajustes, consertos.

Segundo: o Líder sabe que pode correr tranquilo, uma vez que sua equipe está nos boxes devidamente treinada e que, quando acionada, estará preparada para fazer em segundos o que foi capacitada durante meses.

Terceiro: durante qualquer jornada, é necessário fazer ajustes, da mesma forma como um lápis que precisa ser apontado para voltar com uma ponta mais firme e escrita mais precisa. O problema é que alguns líderes se envergonham de dizer que erraram ou precisaram corrigir sua rota em algum momento.

Quarto: o Líder sabe que não tem como ser melhor do que cada um de sua equipe individualmente, e por isso precisa da pessoa certa no lugar certo, o melhor talento para a melhor posição, de maneira interdependente, sem o ?ego? na disputa.

E por último: o Líder, ao bater na porta da sala de reuniões e encontrar toda a diretoria reunida para homenageá-lo pelos grandes resultados alcançados, deve saber que apenas cruzou a linha de chegada para um grande time que trabalhou, suou e acima de tudo o honrou por deixar?se liderar.

?Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer?.( Ghandi )

Você recebe aquilo que deseja!

, , , , ,

Ao final, somos todos um Número!

Qual é o seu número?

Ok, vou melhorar a pergunta. Será que a empresa para a qual trabalha considera-lhe apenas um número?

Recentemente, em processo de desligamento em uma empresa de alimentos, uma amiga confidenciou-me a dor em deixar a empresa após 10 anos. Ela tomou a decisão de romper aquela aliança, e estava tentada ao novo, com inúmeras possibilidades, e principalmente o reconhecimento financeiro, que era um dos seus principais valores motivacionais naquela fase da vida. Por outro lado, tinha uma história ali, havia passado por muitas mudanças, como a do interior para a cidade grande, casamento, filhos, promoções, premiações e viagens por todo o Brasil. Não era fácil cortar esse laço emocional, o sentimento de gratidão. Partiria para o desconhecido, como uma aventura a desbravar.

Mas, afinal, será que essa breve história é algo incomum? Ou será que é mais comum do que imaginamos?

Todos os dias, milhares de Headhunters espalhados pelo Brasil conectam profissionais a vagas. Com isso, facilitam os processos de tomada de decisão, hora sendo para um salário melhor, uma empresa maior, um cargo maior, uma mudança de estado ou qualquer outra variável que motive o candidato. Isso acontece ao mesmo tempo em que milhões de pessoas desistem de mudar, pelo medo do desconhecido, insegurança, ou de não se sentirem merecedoras, capazes de brilhar. De onde vem isso?

Uma das maiores verdades é que não existe empresa perfeita, e que você deve estar ligado ao que acontece ao mercado. Vivemos na era das conexões, e estar desconectado é estar muitos passos atrás de qualquer outro profissional. Muitas pessoas, em plena zona de conforto, mergulham em suas realidades e se esquecem de que existe vida lá fora. E por estarem mergulhados em suas empresas, passam a ter somente a referência interna de seus líderes, de sua empresa, de seu mercado. Em muitos casos, para piorar a situação, esses líderes não sabem, não estão preparados ou não desejam que o liderado tenha consciência do real valor que tem. Esses líderes sentem-se donos da verdade, são agentes do feedback destrutivo para criar algemas emocionais, a fim de que o liderado pense que é um privilegiado por trabalhar na empresa, e que o mercado jamais o daria a grande e espetacular oportunidade fora dali.

Se você acredita que esteja falando de líderes que você conhece bem, tipo o “Seu”, pare por um segundo e imagine que estou falando de um líder de um outro país, tipo Rússia, caso seu líder pegue você lendo esse artigo.

Isso está muito mais perto do que você imagina e, voltando ao caso de minha amiga, não foi diferente. Certa vez, ela ouviu de um par:

– Não deixe fulana saber o quanto ela vale, pois pode pedir aumento.

E, no momento de pedir demissão, observe a postura do líder:

– Você não vai encontrar outro lugar como aqui, ou algum lugar que lhe entenda e lhe aceite. Fique, será melhor para você.

Quando ela me contou isso, perguntei-me se o líder queria motivá-la, mantê-la na empresa ou dizer simplesmente que aquela empresa era sua única e última opção. Passados dois dias, algo que falo em muitas de minhas palestras aconteceu. A empresa fechou? Faliu? Ficaram desesperados? Pediram pelo amor de Deus para que ela voltasse? Não, a vida simplesmente continuou…

Porque as pessoas sofrem tanto em momentos como esses, sendo que as empresas acabam se reorganizando rapidamente e colocando outro em seu lugar? Será que você é somente um número que, ao dar resultado, cumpre sua obrigação e, ao pisar na bola, se aproxima da rampa de lançamento?

Simples assim? Cuidado!!! A culpa pode ser sua! Você pode estar acomodado e, na sua cabeça, colocando a empresa em 1º lugar, deixando de lado família, amigos, lazer, prazer e principalmente o fator mais importante nessa equação: VOCÊ!

Experimente a postura de se colocar em 1º lugar, aproximar-se das coisas, ações e pessoas que mais lhe motivam e impulsionam. Prepare-se todos os dias para ser melhor hoje do que foi ontem, e muito melhor amanhã do que foi hoje. Colha os resultados de dar o seu melhor todos os dias. Prepare-se hoje para não ter que fazer remendos amanhã.

Uma das coisas que aprendi em minha carreira é que o mercado vê tudo e, se ele vê tudo, permita que ele veja o melhor de você! Mesmo que, para isso, você precise ir para o mercado.

Para a empresa, você pode ser o número 980, mas se você aceitar isso passivamente, terá sempre 979 pessoas a sua frente. Busque seu espaço, mostre-se e veja o quanto é prazeroso ter uma carreira vitoriosa.

E aí? Vai esperar até quando para ser o número 1?

, , ,

Prova Social

Se algum dia você ouviu a expressão: “se seu amigo se jogar da ponte, por acaso você também se jogaria?”, é sinal que esse artigo servirá para você. O que falaremos hoje é sobre o impressionante fenômeno denominado “Prova Social” e, principalmente, o poder que tem para influenciar as pessoas.

Na busca por definir o certo ou o errado, o bom ou o ruim, partimos para a observação de como as pessoas agem à nossa volta. É assim que o princípio da prova social é ativado e, quem influencia consegue resultados extraordinários de quem é influenciado facilmente, afinal o que as pessoas fazem é o que se deve fazer.

Buscamos a Prova Social quando nos sentimos seguros ou em total zona de conforto, e as referencias vindas do ambiente são norteadores de nossas ações. Vejamos alguns exemplos:

Um carro lançado recentemente contou, como principal ação de marketing, com os depoimentos dos consumidores que já haviam adquirido o modelo, destacando-se os benefícios e as vantagens do carro novo, ativando os compradores em potencial que se identificavam o princípio da semelhança de objetivos na compra, influenciando-os a comprar com o seguinte pensamento: “se deu certo com eles, por que não dará comigo? Afinal, buscamos as mesmas coisas”.

Na rede de locadora mais famosa do País, os filmes mais alugados são os da lista Top 10. Através da simples divulgação da lista, aumentou-se em 50% o número de locações destes lançamentos. O cliente acessa o site, vê a lista que é quinzenalmente atualizada e escolhe seu filme, o que lhe proporciona maior agilidade, sem perder preciosos minutos na locadora e no trânsito.

Na Internet, alguns blogs, sites e twitters têm como principal ação de marketing o número de seguidores, levando milhões de internautas a seguirem esses portais pensando: “se tantas pessoas seguem, é porque é bom”, deixando de lado fatores como importância do conteúdo, idoneidade, dentre outros.

Semana passada, estava no trânsito na Marginal Tietê quando o carro à minha frente deu sinal para entrar no acesso à direita. Como era também o meu acesso, imediatamente quase que por sincronia liguei o pisca alerta.

Até aí, tudo bem, mas o que estava por vir foi o fato curioso: O motorista que estava atrás de mim, quando viu que os dois carros que estavam à frente deram sinal à direita, concluiu que tinha algo errado, que tínhamos informações que ele não tinha e, por via das dúvidas, também ligou o sinal e pegou o mesmo acesso. O 4º, 5º e o 6º carros seguiram o mesmo raciocínio, sem se certificarem se estavam ou não errados seguindo os da frente. Não estavam preocupados se estavam pegando o acesso errado, perdendo tempo, gerando estresse, apenas agindo igual aos da frente sem se dar conta da Prova Social que os tinha Influenciado a agir daquela maneira.

Podemos ficar citando inúmeros exemplos, mas a realidade mostra que milhões de pessoas, todos os dias, são influenciadas através da Prova Social, deixando de questionar, pensar e até mesmo de agir da forma que querem pelo simples fato de buscar nos outros os caminhos a serem seguidos. Cuidado! Você pode estar sendo influenciado simplesmente por ler este artigo.

Para agir da melhor maneira é preciso sempre pensar sobre o melhor caminho. Nos momentos de insegurança não se deixe levar pelo ambiente, avalie todos os cenários para tomar a melhor decisão, assim você será o principal personagem da sua historia.

Valide se você possui todas as informações para tomar uma decisão, seja ela a mais simples ou a mais complexa. Você constrói o seu ambiente, lembre-se disso.

, , , , ,

Quanto vale seu QI para você?

Quanto vale seu QI para você?

Alguém já te procurou e disse:

– Você tem tantos contatos, será que poderia indicar meu curriculum para algum deles?

Você fica sem graça de dizer não e muitas vezes pensa em ajudar mesmo.

Mas a pergunta que fica é:

Será que você tem as noções dos perigos, dos possíveis ganhos e perdas disso?

Pense com você mesmo, ter um grande amigo, automaticamente não significa ter um grande profissional ao lado. É muito comum ouvir que o Q.I. (Quem Indica), pode fazer a diferença em uma contratação e até em uma carreira, você mesmo que está lendo pode ter entrado em sua empresa através de uma indicação.

Dilema estabelecido, indicar e assumir os riscos de que esse amigo talvez não trará resultados te envergonhando e fazendo você perder certa credibilidade, ou não indicar esse amigo e principalmente como dizer isso a ele.

Em 1996, um dos mais conhecidos políticos no cenário brasileiro disse a seguinte frase:

-Vote no meu indicado e se ele não for um bom prefeito, NUNCA MAIS VOTEM EM MIM!

O Apadrinhado teve um péssimo desempenho em sua gestão, fazendo com que seu padrinho perdesse uma enorme credibilidade, manchando sua imagem para sempre.

Após a leitura dessa primeira parte do artigo responda:

O que você pode gerar negando o pedido para seu amigo?

O que você pode gerar aceitando o pedido do seu amigo?

O que pode gerar para sua imagem, caso o indicado não corresponda às expectativas desejadas?

Quando for responder as três perguntas acima, pense em quanto tempo demora a construir um prédio de 40 andares?

Certamente, alguns anos vão ao longo desse processo. E para ser demolido, quanto tempo leva?

Segundos!

O que você quer fazer com sua imagem e credibilidade?

Para manter uma imagem e credibilidade, muitas vezes é preciso ser sincero e distribuir muitos nãos em troca de um grande sim para você!

Sucesso!

, , , , , , , , ,

Basta uma Palavra

 

Você já parou para pensar sobre o poder de uma palavra? Exatamente neste momento, existem pessoas que estão assim como eu e você neste texto, refletindo sobre suas palavras. Para mim, autor, será que conseguirei agregar valor à sua vida através de minhas palavras? Para você, leitor, o que fará com suas palavras após a leitura? Mas porque palavras?

“As palavras são como moedas: uma pode valer por muitas, e muitas não valer por uma”. (Quevedo)

E quanto valem suas palavras?

Os antigos diziam que uma palavra bastava para selar acordos, contratos e destinos, sem a necessidade de assinaturas ou contratos formais. E hoje, com tantos recursos para garantir o cumprimento de acordos, observamos palavras diferentes de ações. Você deseja ter, de verdade, uma vida em que suas ações digam mais do que suas palavras? Ou prefere que suas palavras expliquem suas ações?

“As palavras verdadeiras não são agradáveis, e as agradáveis não são verdadeiras”. (Lao Tsé)

Em um mundo que cobramos transparência, honestidade e sinceridade através das palavras, existem duas reflexões-chave: você está preparado para ouvir as palavras dos outros com transparência, sinceridade, sem ser reativo? Os outros estão preparados para ouvir suas palavras? Em qual dessas situações você tem controle absoluto? Se você não tem controle sobre os outros, porque então exige que compreendam e pratiquem algo que você mesmo não faz ou está preparado para fazer?

Em minha carreira, certa vez ouvi de um Líder, após alguns feedbacks sinceros, a seguinte frase

– Você quer tapinha nas costas ou quer crescer?

Doeu muito. Esforcei-me para atingir um determinado resultado não conquistado, e foi muito indigesto ouvir aquilo. Internamente, meu sentimento era de revolta. Queria voar no pescoço dele. Refletindo melhor, percebi que, na verdade, estava querendo terceirizar algo que era só meu. Considero aquele dia como um dia igual ao de quando colocamos o fermento na massa de pão. Mesmo com o fermento, é preciso respeitar a ordem dos ingredientes, esticar, amassar a massa e principalmente respeitar o tempo do crescimento.

“Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”. (Desconhecido)

Muitas vezes, a flecha lançada são nossas conclusões precipitadas, julgamentos parciais, dizendo aos outros o que não gostaríamos que dissessem sobre nós mesmos. Antes do disparo, reflita sobre onde, como e para quem está sendo direcionada essa flechada.

Acredito que um dos maiores desafios do ser humano será sempre o uso das palavras na comunicação. Certamente, já conheceu pessoas que dão a volta ao mundo para chegar a uma conclusão, ou simplesmente não conseguem se fazer entender por não terem as melhores palavras. Isso acontece tanto na vida pessoal quanto na profissional. Existem ainda pessoas que usam aquela frase clássica:

– Eu já te expliquei 10 vezes! Não é possível, quer que eu desenhe?

Um ponto a refletir é que, se você explicou sempre da mesma forma, sem se preocupar em entender sobre a pessoa a sua frente, que ela pode ser diferente de você, não adianta explicar nem 1000 vezes! O resultado sempre será o mesmo.

O uso incorreto, no tempo errado ou com a pessoa errada, gera não só ruídos, mas pode também gerar guerras. Acredite, basta uma palavra para você Motivar, Desmotivar, Aconselhar, Treinar, Desenvolver, Criar, Ajudar, Acelerar, Ensinar, Engajar, Perdoar e principalmente Amar.

E ainda, se após ler esse texto, não tiver clareza do que deve e para quem deve falar, segue uma dica:

“A palavra é prata, o silêncio é ouro.” (Provérbio Chinês)